quarta-feira

ELE & ELA

Acordou pensando na ex-mulher. Um pensamento insistente, que o acompanhou o dia inteiro...
À noite, depois trabalho, resolveu ligar para ela:
“Quem é?”, atendeu uma voz masculina.
Desligou o telefone. Podia ter discado errado o número...
Ligou de novo. E a mesma voz atendeu...
“Quero falar com a Dulce...”
“Olha só, a Dulce deu uma saidinha... Quem quer falar com ela?”
Não se intimidou:
“É o ex-marido dela...”
Silêncio brusco.
“Alô?”
“A Dulce acabou de chegar. Vou passar pra ela.”
“Edgar...?”
“Oi...”
Novo silêncio.
“Desculpe eu estar te ligando assim, Dulce...”
Criou coragem:
“Queria te convidar pra gente sair pra jantar...”
“Hoje?”
“Hoje, amanhã... Você que sabe!”
“Hoje, então.”
Surpreso com a imediata aceitação do convite – afinal, fora ele quem havia proposto a separação meses atrás, sem ressentimentos! –, Edgar perguntou aonde ela queria ir. No lugar de costume?
Dulce sorriu:
“Que tal no seu apartamento? Pode ser?”
Ele também sorriu:
“Acho que aqui o estoque de comida está meio em baixa...”
“A gente dá um jeito. Chego aí em duas horas! Beijos.”
Edgar abraçou o telefone, feliz da vida. Finalmente ia rever a mulher, depois de tanto  tempo afastados... Como estaria ela? Não importava. Nem o sujeito que atendera o telefone importava. Só Dulce importava, nada mais!
Longe dali, igualmente feliz da vida, Dulce abraçou o amante. Há muito esperava aquela ligação...  Quem Edgar pensava que era, para abandoná-la feito um trapo, uma coisa à-toa – e depois voltar assim, na maior cara-de-pau?
“Ponha a sua melhor roupa, Carlão! Você vem comigo. Sua arma tem bala?”

2 comentários:

Evandro Oliveira disse...

Gostei muito do seu blog.
Estou lendo alguns contos e já posso dizer que você escreve muito bem. Parabéns!

Volte sempre ao sabor da letra.

Bom final de semana.

HÉLIO SENA disse...

Fico muitíssimo lisonjeado com suas palavras, Evandro. Um grande abraço!