quinta-feira

À PROCURA DA FLOR

Estão sentados lado a lado no ônibus. Não se conhecem...
De repente, ele se vira para ela e diz:
– Você é a flor mais linda que já vi!
– Obrigada – ela responde, com um sorriso encabulado.
Daí a cinco minutos, ele se vira novamente:
– Casaria comigo?
Dessa vez a moça não diz nada, muito menos sorri; num gesto brusco, se levanta da cadeira e vai se sentar duas ou três poltronas atrás.
Outros cinco minutos, e o rapaz não resiste a se voltar para olhá-la.
A moça, alheia a ele (e talvez ao resto do mundo!), olha fixamente pela janela...
Então começa o alvoroço.
Um magricela lá nos fundos anuncia o assalto, e promete atirar em quem não colaborar.
Os passageiros, feito cordeirinhos, vão entregando seus pertences.
A moça começa a chorar...
O ladrão põe a arma na cabeça dela.
– Passa a bolsa, vai!
O ladrão rouba mais algumas pessoas à frente, salta do ônibus e se escafede na avenida movimentada...
A moça, com os olhos ainda marejando, vai se sentar de novo ao lado do rapaz que a achara bonita.
– Eu fiquei preocupado com você – ele diz.
E fica totalmente perplexo quando ela, limpando as lágrimas, se aninha como um beija-flor em seus braços...

2 comentários:

Juliana Vidal disse...

Gostei do conto, muito interessante. As vezes coisas ruins e nossas atitudes podem modificar nossas vidas como a de outrem. Bjooo
Muito bom mesmo, sempre estarei aqui!
Abraços

HÉLIO SENA disse...

Valeu, Ju. Brigadão!